Sanduíche quente de frango, peito de peru e requeijão

A ideia era fazer com cream cheese, não requeijão. Mas no fruteira – único lugar que passaria hoje – os cinco potes de cream cheese estavam vencidos, então parti para o plano B, requeijão culinário (este aqui). Funcionou super bem, mas ainda vou repetir a dose com o ingrediente certo. Esta receita serve três comilões ou seis pessoas moderadas 🙂

6 pães de sua preferência cortados ao meio (francês, cervejinha, integral …)
6 fatias de queijo mussarela
requeijão a gosto (usei cerca de 2 colheres de sopa bem cheias por pão)
2 peitos de frango em cubos
150g de peito de peru picado
1 cebola pequena picada
2 dentes de alho picados
óleo para cozinhar
cebolinha verde picada a gosto
sal e pimenta a gosto

Comece dispondo os pães em uma forma, sobre eles coloque o requeijão e o queijo mussarela, reserve. Ligue o forno em fogo alto e deixe aquecer enquanto você trabalha nos próximos passos.

Pique os ingredientes. Em uma panela quente, coloque um fio de óleo e doure a cebola com o alho. Após, junte o frango, o sal, a pimenta e deixe cozinhar até secar a água do frango, mexendo de vez em quando. Para finalizar o frango, adicione o peito de peru e a cebolinha verde, cozinhe por mais 4 a 5 minutos, retire do fogo e reserve.

Agora basta colocar a forma de pães no forno quente por apenas 3 minutos, o suficiente para o queijo começar a derreter e o pão aquecer. Retire do forno, recheie os sanduíches com o frango e si degusti!

sanduiche

I’m alive!

Hora de retomar o blog!

“Taís, o que aconteceu?! Algum problema??”

Nenhum, felizmente só aconteceram coisas boas! Dois empregos e a reta final de uma graduação fizeram meu limite de atividades estourar. Por mais que eu quisesse abraçar tudo, não teve como, não deu. Hoje, eu ainda estou em jornada dupla, ainda estou deixando algumas atividades de lado, mas ao menos já tenho um canudo na mão, o que me dá uma folga maior. Ainda não tenho a quantidade de tempo que gostaria para o blog, mas se eu ficar esperando por ele, talvez nada mais saia do papel. Então é hora de colocar a mão na massa novamente, sem promessas de fornadas regulares, mas prometendo bons pães a hora que as fornadas saírem.

Dou por aberta a nova temporada do Miei Limoni 🙂

salsacom borda

Buenos Aires

Semana passada fiquei alguns dias em Buenos Aires, foi uma viagem bem bacana! Eu já tive a oportunidade de conhecer a capital da Argentina em 2006 quando eu e o Pequeno fomos assistir ao show do Rolling Stones, mas foi tudo muito rápido, não deu pra conhecer muita coisa (talvez nada) naquela ocasião. Já nesta viagem, embora tenham sido apenas três dias, eu e minha amiga Ju aproveitamos bastante!

Conhecemos a lindíssima livraria El Ateneo, onde comprei um livro com receitas típicas da terrinha portenha, as quais espero conseguir testar em breve. Além do El Ateneu, andamos muito pelas ruas de Buenos Aires entrando em todos os lugares que despertassem interesse. O que acho umas das melhores coisas para se fazer como turista, sair sem compromisso, explorar o lugar conforme soprar o vento, fugir dos pacotões turísticos mais manjados, conseguir viver um pouquinho da rotina daquele lugar. Amo isso!

Focando no principal tema deste blog, comemos os clássicos bifes de chorizo, as papas fritas, as empanadas, os sorvetes Freddo, os alfajores e retornamos ao Brasil com nossas malas recheadas de doce de leite! O que mais vou sentir saudades são os sorvetes Freddo, os alfajores de maisena da Cachafaz e os alfajores e doces de leite da Vauquita, todos maravilhosos!

Obs.: Fui de câmera compacta, bem turistona, dêem um desconto para as fotos 😛

Buenos Aires 015 Buenos Aires 021 Buenos Aires 024 Buenos Aires 038 Buenos Aires 041 Buenos Aires 067 Buenos Aires 091 Buenos Aires 096 Buenos Aires 112 Buenos Aires 120

Bolo de Fubá com Coco

Semanas (talvez meses) atrás resolvi fazer polenta. Atrás do pacote de farinha de milho tinha a receita de uma bolo que não levava farinha de trigo e como estava procurando por um bolo 100% de fubá, resolvi testar. Testei e achei que ficou seco demais, então fui substituindo alguns ingredientes e acrescentando outros, daí aconteceu … um novo bolo super gostoso surgiu 🙂

fuba1 fuba2
3 ovos
200ml de leite de coco
200ml de leite de vaca
1 1/2 xícara (chá) de açúcar mascavo (pode ser o branco se quiser)
1/2 xícara (chá) de óleo (usei de canola, mas podem ser outros)
1 1/2 xícara (chá) de farinha de milho
1/2 xícara (chá) de amido de milho
1 pitada de sal
1 colher (sopa) de fermento
1/3 xícara (chá) de parmesão ralado
1 xícara (chá) de coco ralado desidratado*
*essa quantidade é equivalente a quase um pacote de 100g. Então compre um pacote de 100g e guarde o que sobrar para usar na cobertura).

Cobertura:
200ml de leite de coco
5 colheres (sopa) de açúcar refinado
o resto do coco ralado

Para o bolo, bata tudo no liquidificador, despeje em uma forma untada e leve ao forno médio por aproximadamente 50 minutos, simples assim. Para a cobertura, leve uma panela ao fogo com todos os ingredientes e deixe ferver por 2 minutos (mexendo sempre). Assim que o bolo estiver pronto, tire do forno e cubra com a cobertura. Si degusti!

Esta receita é naturalmente sem glúten. Para saber mais, leia aqui.

Pão de Queijo de Alho

Pensando no que preparar neste final de semana ? Que tal um pãozinho de queijo de alho ? Ô coisa boa!

Caso você não goste de alho, sem problemas, é só tirar este ingrediente da receita que ela funciona do mesmo jeito.

IMG_0880
1 xícara (chá) de leite
3 xícaras (chá) de polvilho doce
3 ovos
3/4 de uma xícara (chá) de óleo (usei de soja, mas podem ser outros)
1 colher (chá) de sal
1 xícara (chá) de parmesão ralado
330g de queijo minas frescal (equivalente a uma unidade deste aqui)
2 colheres (sopa) de alho triturado (comprei pronto, mas você pode fazer em casa)
alho frito para polvilhar a gosto (comprei pronto, mas também pode ser feito em casa)

Nesta foto o alho frito polvilhado não aparece pois na primeira fornada que eu fiz não coloquei, e foi quando tirei a foto :P. Mas polvilhei na segunda fornada, fica ótimo!

Bata todos ingredientes do liquidificador, menos o alho frito. Despeje em forminhas untadas, polvilhe o alho frito sobre eles e leve ao forno médio até dourar. Si degusti!

Esta receita é naturalmente sem glúten. Para saber mais, leia aqui.

Meu pé de laranja

Plantada em um vaso, na sacada do meu apartamento … mas tá vindo!

Esses são os primeiros brotos da minha laranjeira, agora eu preciso conseguir uma casa pra poder garantir o futuro dela, em um vaso não vai dar certo por muito tempo né ? 🙂

IMG_0863

Intolerante ao glúten ?

gluten

Recentemente minha amiga Juliana ficou sabendo que possui a doença celíaca, ela é permanentemente intolerante ao glúten. Explicando grosseiramente, toda vez que ela consumir glúten ou traços de glúten seu intestino vai sofrer uma reação, e essa reação será uma inflamação crônica que impede o organismo de absorver nutrientes.  A falta de nutrientes por sua vez, pode acarretar em uma série de novos problemas como anemia, osteoporose, infertilidade, outras doenças autoimunes, dermatites e a longo prazo pode até facilitar o surgimento câncer de intestino. Os vilões são o trigo, a cevada, o malte, a aveia e o centeio.

Estou muito longe de ser uma perita no assunto e assim como ela estou aprendendo sobre isso agora. Então se você também é celíaco (ou suspeita ser), busque por informações de boas fontes, ache um bom médico e prepare-se para as mudanças.

Diante deste diagnóstico, por aqui também teremos novidades. Umas das coisas que já aprendi sobre a doença celíaca é que ela não é vivida apenas por quem a carrega, mas também por quem convive com esta pessoa. Os alimentos que contém glúten contaminam com muita facilidade os que não tem, logo, o preparo das refeições e o armanezamento de alimentos precisa ser feito com bastante critério. Para que tenha uma ideia, se o forno da sua casa – aquele que faz pizza quase todo final de semana – não estiver devidamente higienizado, a comidinha especial sem glúten que assar nele, vai ser contaminada na hora.

Sendo assim, mesmo eu não tendo a doença, algumas receitas para celíacos irão começar a aparecer por aqui, afinal o que vou servir a uma das testadoras oficiais deste blog senão receitas sem glúten ? 🙂

Mas vou dar a mim mesma como principal desafio, achar receitas originalmente e naturalmente sem glúten, ou o mais próximo disso possível. Isso porque os produtos  especiais sem glúten possuem dois problemas: são difíceis de achar e são caros. Não é todo mundo que tem acesso ou que consegue bancar esta dieta. Dias atrás achamos bolacha de água e sal sem glúten no mercado. Sabe quanto custa um pacotinho ? R$20,00. Um pacote de bolacha de água e sal por R$20,00! Não restam dúvidas, tenha grana ou aprenda a cozinhar.

Além disso, quando sabemos que um prato é sem glúten (o mesmo acontece com pratos light), tendemos a olhar com cara feia, como se fosse menos gostoso. Realmente acredito que muitos não sejam lá grande coisa mesmo, mas isso não é regra. Se eu te oferecer um lindo bolo de fubá ou um pote de biscoitos de maizena com cara de “biscoito de vó”, você faria cara feia ? Com certeza não. E estas são receitas naturalmente sem glúten.

Então é isso, a partir de hoje alguns pratos daqui conterão a observação “naturalmente sem glúten”, que NÃO SÃO RECEITAS ELABORADAS ESPECIFICAMENTE para celíacos, são pratos que NATURALMENTE NÃO TEM GLÚTEN ou pratos onde a substituição do ingrediente com glúten não afete no resultado final, comidinhas que qualquer um possa saborear. Receitas que servem para a família toda e não apenas para quem tem a doença, com o objetivo de integrar e não de deixar os celíacos no canto da mesa com pratos que só eles comem.

Justamente por isso, por saber que eles não tem como fugir  100% de produtos especiais, que meu objetivo será diminuir esse percentual, ajudando a elaborar comidas acessíveis e gostosas para a família toda mesmo existindo limitações.

Independente da indicação “naturalmente sem glúten” que colocarei nos posts, procure sempre ler os rótulos e descobrir se os alimentos que comprou para preparar a receita são realmente sem glúten. Tenho visto mesmos produtos que da marca “A” tem glúten e da “B” não tem, por exemplo. Existe glúten em coisas que nem imaginamos, leia todos os rótulos, fique sempre de olho.

Espero que gostem das receitinhas naturalmente sem glúten que surgirão por aqui, beijos e até breve!

Risoto de Abóbora e Gorgonzola

Ficou tãaão bom …. 🙂

Só queria que o gosto da abóbora ficasse mais acentuado, então na próxima vez vou tentar cozinhar de outras formas, mas do que jeito que ficou já está maravilhoso!

IMG_0474

2 a 3 colheres de sopa de óleo para dourar a cebola
1/2 cebola grande ou 1 cebola média picada
50ml de vinho branco seco
1 xícara de chá de arroz arbório
1 xícara de chá de cubos pequenos de abóbora
800ml de caldo de legumes
25g de manteiga sem sal picada
100g de gorgonzola picado
Pimenta e noz moscada a gosto
cebolinha verde picada a gosto

Em fogo alto, refogue a cebola com o arroz.  Na sequencia, acrescente o vinho branco e permaneça mexendo até o líquido diminuir, assim o álcool irá evaporar. Feito isso, jogue na panela a abóbora e 1/3 do caldo de legumes. Diminua o fogo e fique por perto, vá mexendo e acrescentando caldo de pouco em pouco até o arroz cozinhar. Tempere com pimenta e noz moscada, não tem necessidade de colocar sal, pois os outros ingredientes já possuem. Cozido o arroz, desligue o fogo e acrescente a manteiga e o gorgonzola, dê uma mexida, tampe a panela e deixe o risoto descansar por 2 ou 3 minutinhos, a manteiga e o gorgonzola irão derreter. Enquanto o risoto descansa, pique a cebolinha para decorar e dar um gostinho especial ao prato, esse gostinho fez toda a diferença pra mim, foi um toque especial mesmo. Tire a tampa da panela, dê mais uma mexida para misturar bem a manteiga e o gorgonzola e si degusti!