Pizza de pão árabe

Sinceramente tenho dúvidas se esse pão é realmente pão árabe ou sírio, uma mistura dos dois, ou ainda se os dois são a mesma coisa. No rótulo chamava pão árabe, eu não sou conhecedora de pães, então … vou dar um voto de confiança, mesmo sendo diferente do pão árabe que conheço. 

Tentei pesquisar na corrida a diferença entre um pão e outro – o pão pita entrou nessa busca também – e não consegui informações claras, um site contradiz o outro. Se alguém souber explicar a diferença entre pita, árabe e sírio, ficaria muito agradecida. 

Enfim, já são velhas as pizzas desses pãezinhos achatados por aqui. Vi uma receita dessas em um livro da Nigella também. São super práticos e ficam ótimas pizzas! O Pequeno comeu com peito de peru, mussarela e cream cheese, jamais comeria a que eu comi: camembert com alho.

Um pão árabe ou sírio, molho de tomate pronto a gosto, duas fatias de mussarela, pedaços de camembert, quatro dentes de alho picados e fritos, orégano e pimenta a gosto. Levar ao forno já aquecido e bem quente até o queijo derreter. Si degusti!

Molho curry que virou molho mostarda

Já faz um tempo que ganhei a “bíblia” da Dona Benta. É muita coisa em um livro só. É o tipo de livro que precisa tirar um tempo só para análises, sem intenção de cozinhar nada. Eis que esse final de semana resolvi tirar esse tempinho para “começar” a brincar com ele. 

A primeira receita que peguei, na verdade não é essa. Foi um bolo cítrico que vou postar no decorrer da semana, esse molho de curry foi a segunda receita que peguei. Ele virou de mostarda, simplesmente porque achei mostarda em pó e em grãos no mercado e queria usar (pelo título do post parecia que seria uma grande história né? :P).

1/3 de uma cebola pequena, bem picadinha
4 colheres de sopa de manteiga
1 xícara de chá de água
1 gema
2 colheres de sobremesa de mostarda em pó
10 grãos de mostarda
1 colher de sobremesa de mostarda em creme tipo forte ou meio-forte
1/2 caixinha de creme de leite (100g)
sal, pimenta e cominho a gosto

Leve ao fogo a manteiga e a cebola. Depois que a cebola dourar, acrescente a água e refogue até que o líquido evapore pela metade. Em um recipiente a parte, misture a gema, as mostardas, a pimenta, o cominho e o sal. Depois de tudo misturado, junte essa mistura a mistura da panela que está no fogo. Misture bem, deixe ferver por uns dois minutinhos. Baixe o fogo, adicione o creme de leite e desligue em seguida (lembre-se que ele não pode ferver senão talha). Prove o molho, corrija com sal e pimenta se necessário. Sirva com carnes. Na foto podem ver os medalhões de filé e o arroz que fiz. Si desguti!  

Terras uruguaias

Algumas semanas atrás fomos dar uma voltinha em terras uruguaias, com o objetivo de passear. Eu, mais especificamente, estava sonhando em comprar “alguns” queijos. Não comprei muito – já que devoro eles sozinha aqui em casa – mas vai demorar até conseguir consumir tudo que trouxe. 

Mesmo estando em meio a muita gente, muito barulho, muitas sacolas, cachorros, carros … consegui pegar uma boa imagem da divisão de terras entre nossos países (foto de celular). Fica registrado aqui, na minha penseira

Creme com morangos e amêndoas

Embora feito a base de leite condensado e ovos, ficou um creminho leve, com uma textura diferente por causa do suco dos morangos, com um gostinho de verão. 

1 lata de leite condensado
2 latas de leite de vaca
1 colher de sobremesa bem cheia de amido de milho
5 colheres de sobremesa de licor de amêndoas
2 gemas
2 caixinhas de morangos (500g)
amêndoas picadas para decorar

Lave bem os morangos, guarde alguns para decorar e esmague o restante com um socador de batatas, reserve. Misture todos demais ingredientes em uma panela e cozinhe em fogo alto (lembre de diluir o amido de milho no leite frio antes de misturar com o todo). Mexa sem parar por cerca de 20 minutos ou até perceber que o creme engrossou. Misture os morangos e cozinhe por mais 2 minutos. Distribua em cinco tigelas, leve a geladeira para esfriar. Como o morango libera bastante água, decore apenas na hora de servir junto com as amêndoas. Por conta disso também, recomendo fazer a sobremesa apenas 2 ou 3 horas antes de servir. Si degusti!

Sanduíche de carne

Sábado de noite, nenhuma janta programada, nenhum compromisso agendado. Saímos do mercado com pães fresquinhos, um pedaço de carne, cebolas roxas, pimentões verdes, pimentas dedo de moça, algumas gramas de mussarela fatiada … deu nisso! Simples, rápido e gostoso. 

1 pimentão verde (misture de outras cores se tiver)
1 pimenta dedo de moça
2 cebolas roxas 
1 pedaço de 500g de carne (uma carne macia de sua preferência, usei patinho desta vez, mas quando faço com mignon … )
1/2 xícara de chá de vinho tinto seco
12 fatias de mussarela fatiada
6 pães do tipo francês
sal e pimenta a gosto

Lave bem o pimentão e a pimenta, retire e descarte as sementes e corte-os em tiras. A carne também deve ser cortada em tiras, as cebolas em rodelas. Tempere a carne com sal e pimenta a gosto. Aqueça uma panela com algumas gotas de óleo e coloque os pedaços de carne para dourar. Com a carne ainda mal passada, despeje o vinho e deixe evaporar. Quando estiver quase pronto (vinho já evaporado e carne praticamente dourada), adicione o pimentão, a pimenta e a cebola. Deixe cozinhar por mais 5 a 10 minutos, apenas para os legumes amolecerem um pouco e a cebola perder seu sabor forte. Adicione mais sal e pimenta se achar necessário. Enquanto termina de cozinhar, abra os pães ao meio e coloque duas fatias de mussarela em cada um. Retire a panela do fogo, e adicione o recheio ainda bem quente sobre o queijo – ele vai ajudar a derreter. Eu já saí comendo, mas se preferir, depois de montado pode levar o sanduíche ao forno para aquecer o pão e derreter mais o queijo. Rende 6 unidades. Si degusti!

Costela de porco com abacaxi

Não é agridoce, é doce mesmo. Adoro carne de porco com frutas! Então resolvi fazer uma geléia de abacaxi para acompanhar a costela de porco que deixei marinando no vinho uma noite inteira. 

A “geléia” na verdade não ia ser geléia desde o início, só não sabia como chamar e isso foi o mais próximo que consegui descrever na minha cabeça. Queria pedaços grandes e macios de abacaxi cozido e doce, e foi o que fiz. Depois de pronta, concluí que cozinhei pouco, queria o abacaxi mais macio e talvez um pouco mais doce, mas no fim o excesso de acidez acabou combinando melhor com a carne. É possível que esta receita já seja doce demais para alguns, se este for seu caso, apenas diminua a quantidade de açúcar e mel.

Quanto a costela, deixei marinando da noite para a manhã seguinte, mas se não puder, deixe marinar ao menos 1 hora. Para cozinhar, comecei usando o forno, mas estava demorando demais, então acabei transferindo para minha panela de ferro para terminar o cozimento e dar aquela tostadinha. Sugiro que use direto a panela. Fazer a costela no forno foi novidade para mim, preciso aprender mais antes de divulgar uma carne cozida nele.  

Costela
1kg de costela de porco já cortada em pedaços de carne e osso
6 dentes de alho picados
1 xícara de chá de vinho branco
sal e pimenta a gosto

Colocar os pedaços de costela em uma travessa funda não muito grande. Misturar com os demais ingredientes, cobrir com filme plástico e deixar descansando na geladeira pelas horas que tiver disponível. Em uma panela de ferro já aquecida, coloque os pedaços de costela e inclusive o molho da marinada para cozinhar. Mantenha a tampa da panela fechada, mexendo em pequenos intervalos de tempo por mais ou menos 50 minutos, ou até quando perceber já estarem cozidas e tostadas o suficiente.  

“Geléia” de abacaxi
500g de polpa de abacaxi picado (não utilize o miolo endurecido)
150ml de água
1/2 xícara de chá de açúcar orgânico
100g de mel
3 cravos da índia
2 pedaços grandes de pau de canela

Misturar tudo em uma panela e deixar cozinhando com a tampa fechada por 1 hora. Mexer a cada 15 minutos. Utilizei um amassador de batatas no início e nos últimos minutos do cozimento, apenas para ajudar o abacaxi a soltar seu suco. Fiz o abacaxi no dia anterior também, pois queria comer ele frio com a carne. Faça a seu gosto e si degusti!