Massas que não crescem

Final de semana passado fui novamente viajar e resolvi levar mais uma vez a cuca caracol no banco de trás do carro. Estava louca para testar um recheio novo: doce de leite, chocolate branco e nozes. 

19h de sexta, sozinha em casa, ao som de Beatles e Cinderella iniciei a obra. Mistura isso, mistura aquilo e pronto, era só crescer a massa, abrir com o rolo, rechear e assar. Em no máximo 1h estaria no forno. Abandonei a cozinha, me sentei na frente do computador, abri as letras das músicas na tela, comecei a cantar desastrosamente o que ouvia e cheguei a dançar sozinha por poucos minutos – o suficiente para rir de mim mesma e voltar a sentar.

Lembrei que a massa já deveria ter crescido um bocado e voltei para a cozinha. Para minha surpresa, ela estava exatamente do mesmo tamanho que a deixei. Sovei mais um pouco e nada, estava imóvel! Comecei a me preocupar de verdade, tinha que levar a cuca na manhã seguinte, não tinha ingredientes e nem tempo para fazer uma nova. O que fiz de errado?! Esqueci algum ingrediente?! O que faltava?! E a resposta era: CALOR, faltava calor! Caxias estava com apenas 8ºC e acredito que dentro do meu apartamento estivesse menos que isso, é realmente muito frio aqui. 

Corri para a internet e achei bilhões de dicas. Uma delas era aquecer o forno e com ele morno e desligado, deixar a massa repousar ali dentro. Resolvi fazer isso e ainda dividi meu bloco de massa em 4 blocos menores para facilitar a chegada do calor ao centro da massa. Resolvido o problema! O que era para crescer em 40min, levou 2 horas, mas cresceu!

Ironicamente, depois de todo esse tempo, percebi que não tinha descascado as nozes para o recheio e mais ironicamente ainda, faltou luz! A luz de velas, descasquei calmamente as nozes, a massa cresceu ainda mais, abri ela e distribui o recheio. Nisso já eram quase 22h … cansei, mas valeu a experiência. 

Se a cuca ficou boa ? Sim, mas o chocolate branco foi desperdício, nem senti o gosto em meio a quantidade de doce de leite que coloquei. Por não ter a nata, a cuca ficou mais seca e por esse motivo – mesmo tendo ficado bem gostosa – fico com a primeira versão

Salada de atum

Típica salada “não tem nada em casa, deixa eu ver o que posso fazer em 5 minutos”. Junta uma coisa ali, outra aqui e pronto: refeição completa.  

1/2 lata de milho
1/2 lata de atum
um punhado de champignon picado
um punhado de salsa picada
4 colheres de sopa de parmesão ralado
1/3 de uma cebola pequena picada
1 xícara de chá de batata palha
pimenta e azeite de oliva a gosto
molho shoyu

Misture todos ingredientes, menos o shoyu. Deixe por último a batata palha para manter a crocância. É bom ir adicionando o shoyu aos poucos, conforme come, para a batata não murchar. Si degusti!

Doce de abóbora

Nada contra o refinado, mas como cai bem um bom doce caseiro …

500g de abóbora (sem casca) picada em cubos  
300ml de água
2 xícaras de açúcar
4 cravos da índia

Coloque os cubos de abóbora em uma panela, cubra com água, adicione os cravos e despeje o açúcar sobre os cubos. Não mexa, deixe o açúcar sobre os pedaços. Ferva com a tampa semi aberta por uns 25min ou até que perceba que as abóboras estão macias. Sirva gelado acompanhado de creme de leite. Si degusti!