Salada de Radicchio e Gorgonzola


Já fazem alguns dias que fiz essa salada, usei radicchio roxo, rúcula, tomate seco, queijo gorgonzola, azeite de oliva, sal e pimenta. A combinação e contrastes dos ingredientes ficou ótima! E é justamente o que amo em saladas, poder arriscar inúmeras alternativas e dificilmente errar alguma delas. Principalmente se gosta de queijo e se usa as quantidades exageradas que eu uso, aí sim fica difícil errar. Si degusti

Simplesmente Manga


A primeira vez que comi isso foi em um restaurante vegetariano. E a primeira impressão não foi boa. Lembro de ter pensado: “grande coisa, manga com creme de leite (?!)”. Mas era a única opção de sobremesa e não queria ficar sem meu doce após o almoço. Peguei. Sentamos à mesa e ganhamos um potinho com açúcar mascavo. Recebi instruções de apenas acrescentar o açúcar conforme comia, era importante. Fiz isso e hoje essa simples sobremesa é uma das minhas favoritas.  Claro, tem que gostar bastante de manga para apreciar. 

Humildemente corte uma manga em cubos, misture com creme de leite e sente confortavelmente em algum lugar com açúcar mascavo à disposição. Conforme come, de colherada em colherada acrescente um pouco do açúcar. Isso é importante para ele não ser absorvido pelo creme de leite. O gosto não fica igual, nem se sente os grãos de açúcar rolando pela boca se deixar isso acontecer. Realmente faz diferença. Si degusti!

Alcune parole

“O primeiro passo para a boa cozinha não é o fogão nem as panelas e muito menos o livro de receitas – é a generosidade, a alegria de dar alguns momentos para que a família e os amigos possam se reunir em volta de uma mesa.”
Rosy Bornhausen

Risoto de frango com leite de coco



Desencalhei o frango desfiado que estava no congelador! Confesso que tenho problemas com essa carne, mas esse ficou bom. Acho que poderia ter ficado ainda melhor, vejo novos testes no futuro. A receita que adaptei, já era na verdade uma adaptação, sua original era feita com camarões. Deve ficar melhor ainda, mas uma por vez né ? 

400g de frango desfiado
2 xícaras de arroz
1 cebola grande picada
2 tabletes de caldo de galinha
1 vidro de leite de coco
1 cx (200g) de creme de leite
1 xícara de leite de vaca
1 colher de sopa de açafrão
salsa picada à gosto
pimentas à gosto (usei a preta, branca e calabresa)
sal à gosto

Cozinhe o arroz e reserve. Em uma panela refogue a cebola, acrescente o frango e os cubos de caldo de galinha. Mantenha no fogo até que o frango cozinhe. Em seguida junte o leite de coco, o açafrão e as pimentas, corrija com sal se necessário. Quando começar a ferver, baixe o fogo e acrescente o creme de leite e a salsa. Na sequencia, acrescente o arroz já cozido e o leite. Mexa bem. Mantenha no fogo até aquecer e si degusti!

Flor da noite – Dama da noite


Passei o Natal na casa da minha mãe e descobri uma flor que nem imaginava que existia. Ela brota de um cactos feioso (que mais lembra uma cobra), faz um botão (que parece uma planta carnívora), e do entardecer à madrugada ela desabrocha de uma forma magnífica. 

O desabrochar é único, dura apenas uma noite. Viu, quem viu. Não cheguei a medir, mas possui um diâmetro de no mínimo 25cm (quando aberta).  

Tudo começou no dia de Natal quando uma tia minha comentou sobre a tal flor, ia desabrochar naquela noite. Ficamos cuidando, mas nada. No dia seguinte, em torno de 18h comecei a fotografar para ver no que ia dar, e deu em algo:
18h51m – “Cara de carnívora”.
19h56m
20h38m – Esse horário mereceu duas imagens, foi quando me dei conta que seria algo realmente bonito.
22h08m – O auge. O perfume, que parecia uma mistura de jasmim com orquídea apareceu apenas nessa hora, era fortíssimo. Exageradamente bom.
0h45m – Acho que abriria mais, mas o vento estava forte, começou a murchar. 
10h36m – Manhã seguinte, término da jornada.
Outras virão … ao seu tempo, por um tempo.

Salada com ricota



Faço saladas de tantas formas, que muitas vezes esqueço dos ingredientes exatos de uma mistura específica. Tem o lado bom disso, que é ver minha criatividade funcionando para aproveitar os ingredientes disponíveis em casa – evitando desperdícios. E o ruim, que é não lembrar de como fiz a salada “x” que gostei tanto, justamente por não fazer saladas padrões. Agora com o blog, acho que vou conseguir resolver esse probleminha.

Nessa salada, usei: alface americana, rúcula, ricota temperada (cortada em cubos e tostada em algumas gotas de óleo), tiras de copa, sal, gotas de limão siciliano, azeite de oliva e pimenta para temperar. Si degusti!

Rabanada sem fritura



O que encanta nas receitas da Nigella é a simplicidade. Comida boa não é sinônimo de uma tarde inteira na frente do fogão, nem de jantares extravagantes fora de casa. Às vezes sim, às vezes não. Quantas vezes queremos apenas conforto? Sentar no sofá depois de um dia cheio, comer algo gostoso enquanto repassamos o dia com nossa família e terminar o dia bem? 

Para mim, é isso que ela faz – comida simples, boa e confortante. Muitas das receitas dela irão aparecer por aqui, algumas adaptadas outras não, o que não é problema, pois ela mesma defende a liberdade e criatividade na cozinha, assim como eu. Não adianta seguir a risca a receita de um molho ao pesto se você não gosta de nozes. Por que não experimentar com amêndoas ? Castanhas ? Enfim, o importante é ficar bom. 

Essa é a segunda vez que faço rabanada, a primeira foi há uns dez anos atrás (não estou exagerando) e desde lá queria fazer novamente. Como envolvia fritura … fui deixando de lado pela preguiça de limpar a sujeira, além de não ser um hábito muito comum por aqui. Mas então surgiu essa receita “sem fritura” (ao menos não é imersa em oléo) e me animei. 

3 ovos
5 colheres chá de essência de baunilha
100ml de leite
3 pães franceses ou 6 fatias de pão de forma
30g de manteiga e gotas de óleo para fritar
açúcar de confeiteiro

Bata os ovos com o leite e a baunilha numa vasilha. Embeba pequenos pedaços do pão nessa mistura, se certifique que ambos os lados fiquem encharcados. Enquanto isso, aqueça a manteiga e as gotas de oléo em uma frigideira. Quanto estiver bem quente, distribua os pedaços de pão sobre a frigideira e toste ambos os lados (não se assuste pela moleza do pão encharcado, é isso mesmo, jogue na frigideira que vai dar tudo certo). Ponha o açúcar em um prato e passe por ele os pedaços já tostados. Coma ainda quente. Si degusti!

Minhas rúculas



Minha primeira “plantação” de rúcula está quase no ponto e resolvi pesquisar um pouco a respeito dela. Infelizmente não achei muita coisa. Apenas que vem das regiões mediterrâneas, que é parente da mostarda, que faz muito bem ao sangue,  que é bastante consumida na Itália e que no Brasil é mais popular aqui na região Sul … ponto. Espero que os pulgões não a ataquem antes de mim – já que aparecem frequentemente por aqui.